Pra quem quiser me visitar....
  • Privilégio no menu do dia
  • yam'Tcha, em Paris: no tempo da delicadeza
  • A Casa do Porco Bar: Jefferson Rueda finalmente em casa
  • De São Bartolomeu a Belo Horizonte: Minas Gerais, antídoto contra a superficialidade
  • Uma nova geração de padeiros no Rio de Janeiro: Araucária Pães Artesanais e Maison do Zé
  • Provence: o mercado de Saint-Rémy
  • Curiango Venda e Cozinha: uma bela história de êxodo urbano na Serra da Bocaina
  • Aïoli no Bistrot du Paradou
  • “Redefinindo Sustentabilidade”: Parabere Forum chega à terceira edição debatendo a igualdade de gênero na gastronomia
Sexta, 21 Fevereiro 2014

Mercados no Peru: Surquillo, em Lima, e San Pedro, em Cusco

Mercado de Surquillo

Quando contei aqui sobre minha recente viagem ao Peru, omiti um importante capítulo: os mercados. Perdoem a falta grave.

Na passagem por Lima, não havia como não programar uma visita ao famoso mercado de Surquillo. Uma beleza o colorido dos ajís e rocotos, das muitas frutas (chirimoya, lucuma, tumbo, pepinos) e das bancas de peixes e frutos do mar. Mercados são sempre uma boa forma de conhecer melhor a cultura de um lugar. O de Surquillo foi, além disso, uma oportunidade de me familiarizar um pouco com alguns alimentos estranhos ao meu repertório, com os quais eu inevitavelmente cruzaria nas mesas da cidade.

Mercado de Surquillo

Mercado de Surquillo

Mercado de Surquillo

Mercado de Surquillo

Mercado de Surquillo

Mercado de Surquillo

Mercado de Surquillo

Mercado de Surquillo

Já em Cusco, tomei o rumo do Mercado Central de San Pedro, que, de algum modo, me remeteu ao espírito do Mercado Ver-o-Peso, em Belém do Pará. Não espere grande organização e assepsia. É meio desordenado, nem tudo é limpo, mas a vida fluindo entre suas bancas faz daquela uma bagunça boa de testemunhar – exatamente o que sinto quando estou no famoso mercado de Belém.

Mercado Central de San Pedro

Além de uma infinidade de tipos de milhos, grãos e batatas, há muitas bancas de frutas, onde se pode pedir um suco batido na hora, como eu fiz. Sem falar nas seções de carnes, que são uma verdadeira aula de anatomia de aves e suínos.

Mercado Central de San Pedro

Mercado Central de San Pedro

Mercado Central de San Pedro

Mercado Central de San Pedro

Mercado Central de San Pedro

Mercado Central de San Pedro

Mercado Central de San Pedro

Achei particularmente interessantes os tipos das vendedoras: suas tranças, seus chapéus, as roupas coloridas. Aliás, os trajes das mulheres na região de Cusco, mesmo as mais humildes, conferem a elas uma beleza e uma elegância muito peculiares.

Mercado Central de San Pedro

Mercado Central de San Pedro

Mercado Central de San Pedro

Mercado Central de San Pedro

Mesmo que você não seja aficionado por comida, eu diria que uma visita ao Mercado Central de San Pedro é programa fundamental se estiver de passagem por Cusco.

 

Mercado nº1 de Surquillo - Avenida Paseo de la Republica
(próximo ao cruzamento com Ricardo Palma) - Lima

Mercado Central de San Pedro – Calle Cascaparo s/n - Cusco

Domingo, 17 Novembro 2013

Àmaz, em Lima: ainda tentando entender

Àmaz Pedro Miguel Schiaffino

Ao cruzar a entrada do Àmaz, casa em que o chef Pedro Miguel Schiaffino (do celebrado restaurante Malabar) se debruça sobre a Amazônia, meus olhos foram imediatamente capturados por uma estranha onça pintada no meio salão. Por alguns instantes, cheguei a achar que poderia estar no lugar errado. Afinal, o mau gosto na decoração e, especialmente, o apelo para o exotismo não estavam em sintonia com o que sempre li e ouvi a respeito de Schiaffino: cozinheiro sério e talentoso, profundo pesquisador dos ingredientes peruanos, particularmente aqueles relacionados ao terroir amazônico.

Àmaz Pedro Miguel Schiaffino

Ao me acomodar, só me restava esperar que a abordagem superficial e pouco inteligente se restringisse ao salão e não alcançasse a cozinha. Mas a leitura do cardápio me levava a uma suspeita que se confirmaria à mesa: a de que o que se passa ali é uso gratuito de ingredientes, em substituições absolutamente aleatórias a partir de receitas tradicionais, sem qualquer intenção de aprofundar possibilidades no contexto da cultura culinária da região à qual o restaurante rende homenagem.

Meu almoço, como eu dizia, confirmou aquela impressão. Começamos com empanadas de mandioca, encharcadas de óleo, recheadas com pimentão, cebola, abobrinha e berinjela. Nas causas, o inhame (que, no Peru, chama-se pituca) substituía a batata e a cobertura tinha abacate, molho de coco e camarões. Provamos, ainda, o arroz com chorizo e ucayalinos (deliciosos feijõezinhos da região de Ucayalí, que depois descobri que faz fronteira com o Vale do Juruá, no Acre, lugar de onde saem alguns dos mais delicados feijões que já tive oportunidade de experimentar). Encerramos com o lomo saltado, que ali trazia nacos de bananas no lugar das usuais batatas – o que, segundo o garçom, transformava-o numa versão amazônica do tradicional prato peruano.

Amaz Lima

Amaz Lima

Amaz Lima

Amaz Lima

Além de não evidenciarem um real compromisso com a cultura culinária que supostamente os inspira, os pratos do Àmaz, embora eventualmente saborosos, me revelaram uma cozinha pesada, sem refinamento.

Sigo me perguntando como um projeto como esse pode ter saído das mãos de um profissional com a reputação de Schiaffino. Não sei se há resposta plausível.

 

Àmaz – Av. La Paz 1079 - Miraflores

http://www.amaz.com.pe/

© 2012 Pra quem quiser me visitar - Todos os direitos reservados - Design de Branca Escobar

Envie para um amigo:

*
*

Fale comigo:

*

Assinar Newsletter:

Remover email: