Pra quem quiser me visitar....
  • Privilégio no menu do dia
  • yam'Tcha, em Paris: no tempo da delicadeza
  • A Casa do Porco Bar: Jefferson Rueda finalmente em casa
  • De São Bartolomeu a Belo Horizonte: Minas Gerais, antídoto contra a superficialidade
  • Uma nova geração de padeiros no Rio de Janeiro: Araucária Pães Artesanais e Maison do Zé
  • Provence: o mercado de Saint-Rémy
  • Curiango Venda e Cozinha: uma bela história de êxodo urbano na Serra da Bocaina
  • Aïoli no Bistrot du Paradou
  • “Redefinindo Sustentabilidade”: Parabere Forum chega à terceira edição debatendo a igualdade de gênero na gastronomia
Segunda, 08 Julho 2013

Taberna da Rua das Flores, em Lisboa

Taberna da Rua das Flores Lisboa

Melhor do que ler bons guias gastronômicos é ter, em alguns cantos do mundo, amigos que compartilhem a paixão que tenho pelo universo das comidas. Em Portugal, conto com um desses, o Miguel Santos. Sujeito em cuja opinião confio de olhos fechados. Não apenas porque sei que, mais do que de restaurantes, ele gosta mesmo é de comida, mas, especialmente, porque é uma criatura sensível e sempre conectada ao que se passa nas mesas do mundo.

Ano passado, num e-mail em que me botava a par da cena gastronômica em Lisboa, Miguel assim me descreveu a então recém-inaugurada Taberna da Rua das Flores: “É completamente o oposto do frémito ‘ver e ser visto’, conforto e baixela de prata que move o mundo. O dono é um estudioso da gastronomia. Anda  toda a gente do ‘métier’ encantada com a simplicidade do que lá se serve”. Bastou pra que se acionasse minha campainha interna. Registrei imediatamente na lista de lugares a não deixar de conferir tão logo voltasse a Lisboa. Fiz bem.

Taberna da Rua das Flores Lisboa  Taberna da Rua das Flores Lisboa

Pegue-se uma antiga mercearia, dê-se novo figurino a ponto de fazer dela uma pequena e acolhedora tasca, sem que, no entanto, a atmosfera do espaço perca a conexão com seu passado. Recupere-se do esquecimento a alma e o receituário das antigas tabernas lisboetas. Subtraia afetação, some caráter. A felicidade da equação é perceptível assim que se cruza a entrada da casa, antes mesmo de os garfos chegarem às bocas.

Taberna da Rua das Flores Lisboa

Taberna da Rua das Flores  Taberna da Rua das Flores

O enxuto cardápio não vai além de uns poucos pratos do dia anunciados na lousa. Nem precisa. Ali, seja no ambiente, no serviço ou na cozinha, logo se percebe que a filosofia é a de que menos pode ser mais.

Taberna da Rua das Flores

Começamos com um delicioso queijo fresco de ovelha, com molho de pimenta dos Açores, enquanto aguardávamos os pratos.

Taberna da Rua das Flores

A meia desfeita de bacalhau era deliciosa em sua imensa simplicidade. Lascas de bacalhau, grão de bico, cebola, ovos cozidos, uma chuva de páprica. Um prato que poderia ter saído das cozinhas de nossas avós portuguesas – com a vantagem de ter, ali, um tanto mais de leveza na execução e de equilíbrio no tempero.

Taberna da Rua das Flores

A mesma alma de comida caseira estava presente nas “iscas com elas”: fígado de vitela em molho de baço com vinho branco, na companhia de batatas, alho e uma folha de louro.

Taberna da Rua das Flores

Pra encerrar, levíssimo pudim de claras com espesso caramelo.

Taberna da Rua das Flores

Havendo rocambole de laranja, não pude evitar. Devorava as fatias douradas e pensava com meus botões que há coisas que só as avós e, felizmente, uns poucos restaurantes, fazem por nós...

Taberna da Rua das Flores

Saí com a certeza de que, vivesse eu em Lisboa, seria assídua frequentadora da Taberna da Rua das Flores.

 

Taberna da Rua das Flores - Rua das Flores, 103 - Chiado

Comentários:
em 08-07-2013
por: Pedro Rui Botelho
Olá Constance,

feliz de ter visto os meus Açores citados aqui pelo molho de pimenta.

um abraço do seu leitor de sempre
Pedro Botelho
em 09-07-2013
por: Alhos, Passas & Maçãs
Constance,
vontade de ir lá.
Interessante ver como seus textos portugueses foram, passo a passo, ganhando construção e ritmo lusitanos. Coerência, contaminação, diálogo. Porque, num blog, mesmo se de comida, aquele que lê não deseja saber só de comida.
Beijos!
em 09-07-2013
por: Constance
Minha vontade era poder ir sempre, ter um restaurante como esse a poucos passos de casa, Alhos.
Que bom saber que o texto expressa um pouco daquilo de que me impregnei nessa visita a Portugal - que, certamente, vai muito além da comida. Tem de ser mais que só comida.
em 12-07-2013
por: patricia fontana
Constance,
Seus lindos textos emoldurados por Lisboa ficam mais deliciosos de serem lidos. Suas palavras sempre me fazem acreditar que a comida tem alma!
Continue nos encantando...
Abraços de uma fã
em 12-07-2013
por: Constance
Puxa, que bom ler isso, Patricia. Obrigada.
em 02-08-2013
por: claudia
O que mais dizer?
Faço das palavras ( belas) de Patricia Fontana, minhas palavras também
Cada post que recebo é como um presente inesperado,
Abraço
Deixe seu comentário:
© 2012 Pra quem quiser me visitar - Todos os direitos reservados - Design de Branca Escobar

Envie para um amigo:

*
*

Fale comigo:

*

Assinar Newsletter:

Remover email: