Pra quem quiser me visitar....
  • Privilégio no menu do dia
  • yam'Tcha, em Paris: no tempo da delicadeza
  • A Casa do Porco Bar: Jefferson Rueda finalmente em casa
  • De São Bartolomeu a Belo Horizonte: Minas Gerais, antídoto contra a superficialidade
  • Uma nova geração de padeiros no Rio de Janeiro: Araucária Pães Artesanais e Maison do Zé
  • Provence: o mercado de Saint-Rémy
  • Curiango Venda e Cozinha: uma bela história de êxodo urbano na Serra da Bocaina
  • Aïoli no Bistrot du Paradou
  • “Redefinindo Sustentabilidade”: Parabere Forum chega à terceira edição debatendo a igualdade de gênero na gastronomia
Sexta, 11 Março 2011

Buenos Aires em pequenos bocados

Buenos Aires

Buenos Aires, como Paris - aliás, como quase toda cidade que valha a pena -, pede longas caminhadas. É assim que a cidade se entrega melhor ao visitante. E isso é uma das coisas que mais gosto de fazer quando estou por lá: gastar o sapato. E olhar pra tudo como se fosse a primeira vez. Aliás, enquanto escrevo, eu me dou conta de que, de fato, tenho esse hábito: continuar olhando as coisas e os lugares com o deslumbramento das primeiras vezes. Entre uma caminhada e outra, pausas obrigatórias para saborear a cidade em seus pequenos bocados (que, às vezes, acabam por revelar algumas das melhores facetas de um lugar). Vamos a eles.

Choripán. Um clássico das ruas de Buenos Aires. De certa forma, uma versão de cachorro-quente. Versão abençoada, diga-se de passagem. Apenas pão, um belo chorizo e chimichurri. Não é propriamente uma invenção argentina, mas os argentinos abraçaram-no quase como uma religião. Uma experiência incontornável na cidade.

Buenos Aires  Buenos Aires

Empanadas. Sou louca por elas. Desta vez, cruzaram meu caminho as de um endereço que tenho anotado no meu caderninho há quatro anos, dica de uma amiga portenha: Cumaná. Trata-se de um restaurante muito simples, frequentado pelos locais, em meio ao burburinho das imediações da Avenida Santa Fé. As empanadas têm massa delicadíssima, mas, à exceção da de carne, que achei bastante boa, os recheios deixam um tanto a desejar... O cardápio do Cumaná tem, ainda, um capítulo dedicado a especialidades argentinas, como locro, tamales e humitas. Por pura limitação física, tive que deixar essas incursões pra uma próxima vez.

Buenos Aires  Buenos Aires

Buenos Aires  Buenos Aires

Sorvetes. Meus clássicos são sambayón e, claro, dulce de leche. Quase sempre na Persicco e na Un’Altra Volta. Acho o de zabaione melhor na primeira. E o de doce de leite melhor na última. Por via das dúvidas, faço sempre um novo tira-teima, o que não chega a ser um sacrifício...

Buenos Aires

Buenos Aires

Buenos Aires  Buenos Aires

Doce de leite. O La Salamandra segue firme e forte como meu favorito entre as marcas argentinas. Faço meu estoque na loja de Palermo. As prateleiras repletas sempre me fazem querer comprar mais do que devo...

Buenos Aires

Buenos Aires

Milanesas. Desta vez, fui provar as do El Preferido de Palermo, que estão entre as mais famosas da cidade. Não sei se foi falta de sorte, mas as minhas vieram um tanto ressecadas, não estavam lá nenhuma maravilha. Aliás, de modo geral, a comida do El Preferido não me pareceu especial. Especial, sim, é aquele lugar. Um lindo imóvel, abrigando um bodegón antigo, desses que transpiram tradição. Eu diria que vale a pena uma pausa pra sentar e sentir a alma do lugar, ainda que não se faça uma refeição memorável.

Buenos Aires

Buenos Aires

Buenos Aires  Buenos Aires

Ainda no capítulo “milanesas", provei, desta vez, uma versão nada usual: milanesas de jacaré. No Oro Y Cándido, um misto de café, bar e armazém, encravado numa esquininha nostálgica de Palermo, daquelas que sugerem o que foi o bairro em outros tempos. Assim como no El Preferido, a visita me pareceu valer mais pela atmosfera do que pela cozinha, que, apesar do interessante enfoque nos produtos nacionais, especialmente carnes como a de nhandu, jacaré e lhama, não revelou grandes atributos; ao menos, não naquela minha refeição. Mas voltando às milanesas, elas chegam empanadas em migas de pão e gergelim, fininhas, crocantes. Não são notáveis, mas são boas e vêm acompanhadas de umas batatinhas andinas deliciosas. Notável mesmo é a sobremesa que atende pelo nome de “Postre del Carajo!". O batismo não se deve a um arroubo de arrogância do cozinheiro, mas ao nome da grapa que acompanha a sobremesa. Esta, um semifredo de algarrobina, repousando sobre uma compota de cayote (que, se não me engano, é uma espécie de abóbora de polpa bem clara). Deliciosa. Por ela, certamente, voltaria ao Oro Y Cándido.

Buenos Aires  Buenos Aires

Buenos Aires

 

Cumaná – Rodriguez Peña 1149
La Salamandra – El Salvador 4761 – Palermo
http:/www.lasalamandra.com.ar/
Persicco
http:/www.persicco.com
Un’Altra Volta
http:/www.unaltravolta.com.ar
El Preferido de Palermo – Guatemala 5099 – Palermo
Oro y Cándido – Plaza San Miguel - Madri
http:/oroycandido.com.ar

Comentários:
em 05-11-2012
por: JANAINA
Constance, duas vezes trouxe doce de leite de Buenos Aires e os infelizes da vigilância sanitária confiscaram...Como você faz?
em 14-03-2013
por: Jessica
Boa pergunta, tb queria saber... rs
em 14-03-2013
por: Constance
Eu rezo pra não acontecer de confiscarem ; )
em 04-06-2016
por: Eduardo
Constance, post antigo porem cabe uma feliz atualização. Esta liberado a entrada de produtos animal e vegetal em nosso pais. Queijos que nunca pude trazer da França, os Jamons indescritíveis da Espanha, não são mais empecilhos em nosso retorno. Grande abraço.
em 09-06-2016
por: Eduardo
Uma notícia que merece mesmos ser comemorada, Eduardo.
Deixe seu comentário:
© 2012 Pra quem quiser me visitar - Todos os direitos reservados - Design de Branca Escobar

Envie para um amigo:

*
*

Fale comigo:

*

Assinar Newsletter:

Remover email: