Pra quem quiser me visitar....
  • Privilégio no menu do dia
  • yam'Tcha, em Paris: no tempo da delicadeza
  • A Casa do Porco Bar: Jefferson Rueda finalmente em casa
  • De São Bartolomeu a Belo Horizonte: Minas Gerais, antídoto contra a superficialidade
  • Uma nova geração de padeiros no Rio de Janeiro: Araucária Pães Artesanais e Maison do Zé
  • Provence: o mercado de Saint-Rémy
  • Curiango Venda e Cozinha: uma bela história de êxodo urbano na Serra da Bocaina
  • Aïoli no Bistrot du Paradou
  • “Redefinindo Sustentabilidade”: Parabere Forum chega à terceira edição debatendo a igualdade de gênero na gastronomia
Quinta, 24 Maio 2012

Café Constant: quando a memória não trai

Café Constant Paris

Desde a primeira vez em que estive no bistrô de Christian Constant na rue Saint Dominique, soube que entraria pra lista dos meus favoritos em Paris. Curiosamente, fazia alguns anos que eu não voltava ali – nem sei bem por quê. Em março, me hospedei a duas quadras dele e fui matar as saudades. Confesso que fui tomada pela pontinha de medo que bate quando voltamos aos lugares onde já fomos felizes. Mas encontrei tudo como antes, exatamente como a lembrança das visitas anteriores sugeria. Ambiente acolhedor e vibrante. Cozinha simples, franca, farta. E o fundamental: extremamente saborosa. Aquele tipo de comida que é quase como ganhar um abraço.

Café Constant Paris

Café Constant Paris 

O salão alegre e ruidoso me acolheu do frio cruel que fazia do lado de fora. O calor e o conforto da comida vieram na exata medida do meu desejo. Quando a gema do ovo mollet se esparramou sobre o molho de cogumelos – que escondia, ainda, pedacinhos de pão e chips de presunto –, abri um sorriso de orelha a orelha. O mesmo aconteceu do outro lado da mesa, diante do ravióli de lagosta que flutuava num molho que mais parecia uma intensa bisque.

Café Constant Paris  Café Constant Paris

Segui com uma deliciosa vitela acompanhada de feijões brancos. Os feijões, cozidos em gordura de ganso, eram mais que meros coadjuvantes. Difícil dizer o que estava melhor: eles ou a vitela.

Café Constant Paris

Os profiteroles que encerraram meu jantar estavam bons, mas um tom abaixo de tudo mais que comemos. Àquela altura, eu estava tão feliz que o bom me bastava.

Café Constant Paris

Comendo por ofício em boa parte do tempo, a gente às vezes esquece como é boa a sensação de estar exatamente onde se quer estar, comer exatamente o que se quer comer. E o que é melhor (e cada vez mais raro nas bandas de cá): pagando por isso o preço justo, nem um centavo a mais. Naquela noite, o Café Constant me fez lembrar direitinho o sabor que tem uma refeição assim...

 

Café Constant – 139 rue Saint Dominique – 7ème
http:/www.cafeconstant.com

As atualizações do blog também estão no meu twitter.

Deixe seu comentário:
© 2012 Pra quem quiser me visitar - Todos os direitos reservados - Design de Branca Escobar

Envie para um amigo:

*
*

Fale comigo:

*

Assinar Newsletter:

Remover email: