Pra quem quiser me visitar....
  • De São Bartolomeu a Belo Horizonte: Minas Gerais, antídoto contra a superficialidade
  • Uma nova geração de padeiros no Rio de Janeiro: Araucária Pães Artesanais e Maison do Zé
  • Provence: o mercado de Saint-Rémy
  • Curiango Venda e Cozinha: uma bela história de êxodo urbano na Serra da Bocaina
  • Aïoli no Bistrot du Paradou
  • “Redefinindo Sustentabilidade”: Parabere Forum chega à terceira edição debatendo a igualdade de gênero na gastronomia
  • yam'Tcha, em Paris: no tempo da delicadeza
  • A Casa do Porco Bar: Jefferson Rueda finalmente em casa
  • Restaurante Roberta Sudbrack fecha as portas no Rio de Janeiro: o fim pode ser uma ponte?
Sexta, 18 Maio 2012

Place d’Aligre e arredores

Marché d'Aligre

Há tempos eu me devia uma visita ao Marché d’Aligre, dos mais famosos em Paris, embora não muito turístico. No dia em que estive lá, chovia, ventava, fazia frio. Naturalmente, encontrei o mercado menos vibrante que o de costume. Como vejo uma beleza particular nos dias cinzentos, isso não era problema pra mim. Mas não posso negar que a parte coberta – o marché couvert Beauvau – parecia mais atraente que o mercado ao ar livre naquela manhã... Depois de abocanhar algumas framboesas e tâmaras nas bancas pelo caminho, permanecemos nos corredores de Beauvau por algum tempo. Um belo prédio histórico, que convida a ir ficando.

Marché d'Aligre

Marché d'Aligre

Marché d'Aligre Marché d'Aligre

Marché d'Aligre Marché d'Aligre

Marché d'Aligre

Marché Beauveau

Marché Beauveau

Marché Beauveau

Marché Beauveau

Marché Beauveau Marché Beauveau

Marché Beauveau Marché Beauveau

Mas não nos limitamos ao mercado. Há mais por ver ali. Na própria rue d’Aligre há algumas boas surpresas, como a Le Garde Manger, loja especializada em comida alsaciana. Quando entrei, saía do forno uma belíssima flammekueche, que me arrependo até hoje de não ter levado comigo – só a vendiam inteira e eu me permiti sucumbir à fraqueza da hesitação...

Le Garde Manger

Le Garde Manger Le Garde Manger

Le Garde Manger

Outra que me fez parar foi a La Ruche à Miel, metade padaria e pâtisserie norte-africana, metade restaurante/salão de chá. Os pães na vitrine eram um convite a entrar. Uma vez lá dentro, o perfume que vinha dos fornos me fez pensar em ficar. Não fosse tão cedo pra almoçar e não tivéssemos acabado de devorar um prato de queijos no mercado, teríamos ficado. Me dei por satisfeita com uma cigare – recheada de pasta de amêndoas, zestes de laranja e canela – e segui caminho, embora a vontade fosse comer mais uma meia dúzia delas...

La Ruche à Miel La Ruche à Miel

La Ruche à Miel

Antes de voltar, mais uma parada obrigatória. Perto dali, há uma belíssima praça, a Square Trousseau, a dois passos da estação Ledru-Rollin. Providencialmente instalada em frente à praça está a pâtisserie Blé Sucré. Um convite a comprar um croissant ou um cookie – embora a casa seja mais conhecida por suas madeleines, particularmente, não acho que sejam especiais – e ir comer entre as árvores, sem pressa, antes de ir embora.

Square Trousseau

Square Trousseau

Blé Sucré Paris

Blé Sucré Paris

Marché d’Aligre - Marché Couvert Beauvau – Place d’Aligre – 12ème
http://marchedaligre.free.fr/
Le Garde Manger – 17 rue d’Aligre – 12ème
http://www.gardemanger-aligre.com/
La Ruche à Miel – 19 rue d’Aligre – 12ème
Blé Sucré – 7 rue Antoine Vollon – 12ème

 

As atualizações do blog também estão no meu twitter.

Comentários:
em 17-12-2014
por: Raquel Martins Villela Nunes
Bom dia, Constance
Tudo bem? Não sei como te encontrei, mas sei que não vou mais deixá-la! Que blog cheio de excelentes informações! Ficarei na tua "cola", em relação aos locais visitados.
Grande abraço,
Raquel
Deixe seu comentário:
© 2012 Pra quem quiser me visitar - Todos os direitos reservados - Design de Branca Escobar

Envie para um amigo:

*
*

Fale comigo:

*

Assinar Newsletter:

Remover email: