Pra quem quiser me visitar....
  • De São Bartolomeu a Belo Horizonte: Minas Gerais, antídoto contra a superficialidade
  • Uma nova geração de padeiros no Rio de Janeiro: Araucária Pães Artesanais e Maison do Zé
  • Provence: o mercado de Saint-Rémy
  • Curiango Venda e Cozinha: uma bela história de êxodo urbano na Serra da Bocaina
  • Aïoli no Bistrot du Paradou
  • “Redefinindo Sustentabilidade”: Parabere Forum chega à terceira edição debatendo a igualdade de gênero na gastronomia
  • yam'Tcha, em Paris: no tempo da delicadeza
  • A Casa do Porco Bar: Jefferson Rueda finalmente em casa
  • Restaurante Roberta Sudbrack fecha as portas no Rio de Janeiro: o fim pode ser uma ponte?
Quinta, 23 Setembro 2010

Il Marchesino: a casa de Gualtiero Marchesi em Milão

Como disse no post anterior, entre os dois jantares que eu teria em Milão, quis que um deles fosse no Il Marchesino, restaurante que o chef Gualtiero Marchesi mantém na cidade desde 2008.

O salão é bonito, elegante e tem uma dose de dramaticidade, o que faz todo sentido, considerando que se trata de uma espécie de anexo do Teatro alla Scala - onde adoraria ter podido assistir a uma montagem da Tosca, de Turandot ou La Traviata... Mas, ainda não foi dessa vez que a agenda do teatro se ajustou à minha, embora algo me diga que, um dia, ainda hei de ouvir as notas de Nessun Dorma naquela plateia...

Enfim, vamos ao que interessa: como eu dizia, por trás do restaurante está ninguém menos que Gualtiero Marchesi, considerado o precursor da moderna cozinha italiana. Na impossibilidade de ir a Erbusco, onde o chef fincou sua base, quis, ao menos, visitar sua casa em Milão. Não tenho a pretensão de dizer que conheci de perto a cozinha de Marchesi. Mas tive no Il Marchesino uma noção de seu trabalho, que confere sofisticação e leveza à cozinha italiana, sem perder de vista a tradição, a valorização de seus ingredientes e aquilo que considero o mais importante em qualquer refeição (seja num boteco ou num três estrelas): o sabor. Eis aqui um breve resumo da minha refeição por lá.

De amuse bouche, deliciosos cubinhos de sweetbreads (timos) empanados, com folhinhas de espinafre, uvas passas e pinoli.

Em seguida, fui nas especialidades milanesas. Nada mais adequado. Seu antológico risotto allo zafferano estava impecável: extremamente cremoso e cheio de sabor. Se a porção não fosse tão, mas tão reduzida (a foto engana...), minha felicidade diante do primo piatto seria plena.

Continuando, a costoletta di vitello empanada, que foi o único prato um tom abaixo do esperado. Devo confessar que a que comi no Fasano São Paulo há alguns meses era mais crocante, mais suculenta e mais saborosa...

Para o gran finale, zabaione, simplesmente perfeito. Perfumado e levíssimo, quase etéreo, chegou à mesa acompanhado de línguas de gato fresquíssimas, fininhas e crocantes.

Os bons petit fours fecharam um belo jantar. Que teria sido ainda melhor se precedido de algumas árias de Puccini ou Verdi. Mas isso fica pra próxima...


Il Marchesino – 2 Piazza alla Scala
www.gualtieromarchesi.it/ristorante-marchesino.html

As atualizações do blog também estão no meu twitter.

Tags:
Deixe seu comentário:
© 2012 Pra quem quiser me visitar - Todos os direitos reservados - Design de Branca Escobar

Envie para um amigo:

*
*

Fale comigo:

*

Assinar Newsletter:

Remover email: