Pra quem quiser me visitar....
  • De São Bartolomeu a Belo Horizonte: Minas Gerais, antídoto contra a superficialidade
  • Uma nova geração de padeiros no Rio de Janeiro: Araucária Pães Artesanais e Maison do Zé
  • Provence: o mercado de Saint-Rémy
  • Curiango Venda e Cozinha: uma bela história de êxodo urbano na Serra da Bocaina
  • Aïoli no Bistrot du Paradou
  • “Redefinindo Sustentabilidade”: Parabere Forum chega à terceira edição debatendo a igualdade de gênero na gastronomia
  • yam'Tcha, em Paris: no tempo da delicadeza
  • A Casa do Porco Bar: Jefferson Rueda finalmente em casa
  • Restaurante Roberta Sudbrack fecha as portas no Rio de Janeiro: o fim pode ser uma ponte?
Quarta, 18 Maio 2011

Momofuku Ko: mito esfacelado

Eu poderia dizer da dificuldade que foi conseguir uma reserva no Momofuku Ko. Poderia falar da alegria quase pueril que senti ao receber minha confirmação. Poderia narrar o crescimento da minha expectativa à medida que o dia do jantar se aproximava. Poderia me queixar de chegar ao restaurante e me surpreender com um staff monossilábico e nada simpático (e, acreditem, isso é um eufemismo). Poderia reclamar do fato de que tudo naquele lugar é calculadamente pensado pra passar a mensagem: “estamos ... e andando pro mundo”. Poderia ressaltar o quanto me parece lamentável um restaurante onde sobra atitude e falta cozinha. Poderia descrever, prato a prato, um menu de treze cursos em que apenas dois, no máximo três, eram verdadeiramente bons. Mas vou poupá-los disso e fazer como os funcionários do Ko: usar poucas palavras. Apenas o suficiente pra dar uma ideia de como esfacelar um mito gastronômico em poucos passos.

1- Monte um restaurante que consista em um pequeno balcão com apenas 12 lugares.

2 - Crie um sistema de reservas insano, quase impossível, agigantando as expectativas dos pouquíssimos agraciados que conseguem uma das vagas no cobiçado salão.

3 - Posicione, já na entrada, funcionários sisudos, antipáticos, que receberão os supostos agraciados como se fizessem um favor em deixá-los entrarem.

4 - Na caixa de som, rock no último volume, beirando o insuportável.

5 - Treine os funcionários para, ao menor sinal de insatisfação dos comensais, por não conseguirem ouvir uns aos outros, sugerirem que não é o volume da música o problema, mas o fato de que os mesmos, talvez, falem demais...

6 - Contrate cozinheiros igualmente antipáticos, nada dispostos a responder qualquer pergunta sobre os pratos. Treine-os para deixar claro aos comensais que eles não são bem-vindos ali.

7 - Use açúcar onde deveria haver sal.

8 - Esqueça a bobagem de harmonizar ingredientes. Afinal, quem foi que disse que é preciso haver diálogo entre os elementos de um prato?

9 - Use sal onde deveria haver açúcar.

10 - Cobre 125 dólares pelo menu.

Se alguém ainda quiser ir conferir, eis o endereço:


Momofuku Ko – 163 1st avenue (entre 10th e 11th street) – New York
www.momofuku.com/restaurants/ko/

 



As atualizações do blog também estão no meu twitter.

 

Deixe seu comentário:
© 2012 Pra quem quiser me visitar - Todos os direitos reservados - Design de Branca Escobar

Envie para um amigo:

*
*

Fale comigo:

*

Assinar Newsletter:

Remover email: