Pra quem quiser me visitar....
  • De São Bartolomeu a Belo Horizonte: Minas Gerais, antídoto contra a superficialidade
  • Uma nova geração de padeiros no Rio de Janeiro: Araucária Pães Artesanais e Maison do Zé
  • Provence: o mercado de Saint-Rémy
  • Curiango Venda e Cozinha: uma bela história de êxodo urbano na Serra da Bocaina
  • Aïoli no Bistrot du Paradou
  • “Redefinindo Sustentabilidade”: Parabere Forum chega à terceira edição debatendo a igualdade de gênero na gastronomia
  • yam'Tcha, em Paris: no tempo da delicadeza
  • A Casa do Porco Bar: Jefferson Rueda finalmente em casa
  • Restaurante Roberta Sudbrack fecha as portas no Rio de Janeiro: o fim pode ser uma ponte?
Segunda, 13 Junho 2011

Eataly em versão nova-iorquina: mezzo italiano, mezzo americano

Confesso que me dirigi à filial nova-iorquina do Eataly com uma dose de entusiasmo e outra de desconfiança. Há bastante tempo, alimento o desejo de conhecer a matriz do mercado, em Turim, no Piemonte. A sucursal norte-americana, que abriu as portas no ano passado pelas mãos de Mario Batali (entre outras), se por um lado me permitiria satisfazer em parte o meu desejo, por outro me cheirava a algo como uma versão disneyworldizada do Eataly. Pra quem conhece o mercado piemontês, pode ser que prevaleça mesmo essa última sensação. Mas pra mim, que travava, então, o primeiro contato, prevaleceu o entusiasmo. Talvez porque não tenha cometido o equívoco de buscar ali a alma italiana, coisa que eu não iria encontrar. Bastava-me ter à disposição alguns dos sensacionais produtos que o país apresenta ao mundo, num mercado com estrutura pra ninguém botar defeito – e que americano é bom em fazer mercado, isso ninguém há de negar...

Admito que nos primeiros momentos fiquei meio aturdida com o excesso de gente e de decibéis. Mas foi só ver um torrone piemontês aqui, um gianduiotto ali, e isso foi ficando menos importante. Vale a pena perder-se por algumas horas entre aquelas prateleiras...

Digo mais: vale a pena ir de estômago vazio e fazer um percurso entre as diversas estações que se espalham pelo mercado, cada uma com uma especialidade: queijos e prosciuttos, vegetais, massas, confeitaria, sorvetes, café. Foi o que fiz.

Comecei com deliciosas bruschettas de burrata com ramps...

Segui com um panino feito com focaccia crocante, mozzarella, cebola, pimentões vermelhos, alho confit, abobrinha.

E quando achava que já ia embora, a estação de queijos e salumeria me chamou de volta. Atendi prontamente e a resposta foi uma tábua com inacreditáveis nacos de parmigiano, gorgonzola, ricotta, presunto de Parma, San Daniele, speck e, pra acompanhar, geleia de figos, confit de limão e um mel aromatizado com amaretto. Ainda não me saiu da memória a ricotta absurdamente cremosa contracenando com aquele mel de amaretto...

E se, por acaso, você se der conta de que entrou no Eataly no início da tarde e saiu já no final dela, é atravessar a rua e aguardar o por do sol acomodado num banco do Madison Square Park, de camarote pro Flatiron Building, um dos prédios mais lindos de Nova Iorque.

 

Eataly NY – 200 5th Avenue (na altura da 23th street, em frente ao Madison Square Park).
http://eatalyny.com/

As atualizações do blog também estão no meu twitter.

Deixe seu comentário:
© 2012 Pra quem quiser me visitar - Todos os direitos reservados - Design de Branca Escobar

Envie para um amigo:

*
*

Fale comigo:

*

Assinar Newsletter:

Remover email: