Pra quem quiser me visitar....
  • De São Bartolomeu a Belo Horizonte: Minas Gerais, antídoto contra a superficialidade
  • Uma nova geração de padeiros no Rio de Janeiro: Araucária Pães Artesanais e Maison do Zé
  • Provence: o mercado de Saint-Rémy
  • Curiango Venda e Cozinha: uma bela história de êxodo urbano na Serra da Bocaina
  • Aïoli no Bistrot du Paradou
  • “Redefinindo Sustentabilidade”: Parabere Forum chega à terceira edição debatendo a igualdade de gênero na gastronomia
  • yam'Tcha, em Paris: no tempo da delicadeza
  • A Casa do Porco Bar: Jefferson Rueda finalmente em casa
  • Restaurante Roberta Sudbrack fecha as portas no Rio de Janeiro: o fim pode ser uma ponte?
Quarta, 27 Julho 2011

Maialino, a trattoria de Danny Meyer

Entre os estabelecimentos que o grande restaurateur Danny Meyer ostenta em Nova Iorque, um dos mais recentes, o Maialino, pretende encarnar uma espécie de versão de uma trattoria romana. Não espere encontrar um lugar acanhado, que remeta a algum daqueles pequenos restaurantes em que se tropeça nos poéticos becos de Roma. Lembre-se: estamos falando de um restaurante de hotel (não de qualquer hotel, mas do Gramercy Park Hotel). Portanto, despoje-se da nostálgica lembrança das vielas romanas e permita-se apreciar a beleza da casa, um amplo salão, cheio de luz, muita madeira, muitas flores, belas fotos nas paredes e toalhas xadrez sobre as mesas. Bonito, agradável, convida a ir ficando – e, de fato, ficamos até quase nos expulsarem.

No cardápio a inspiração em Roma fica mais evidente. Estão ali massas tipicamente romanas, como Carbonara, Cacio e Pepe e Amatriciana, e também pratos que evocam a cozinha romana de influência judaica, como as alcachofras fritas.

Começamos com uma entrada que trazia polvos, azeitonas e ramps. Polvos tenros, ramps no auge do frescor, uma delicadeza.

E uma salada com alfaces frescas, favas gigantes e nacos de pé de porco, cheios de sabor.

Última entrada, carciofini fritti. Se a intenção era nos sentirmos em Roma, não podíamos passar sem alcachofras fritas, no caso, alcachofrinhas. Deliciosas, apesar do excesso de óleo. Ótimo também o molho de anchovas que as acompanhava.

Em seguida, fomos de Fettuccine alla Carbonara e Tonnarelli Cacio e Pepe. Ligeira decepção. O Cacio e Pepe, apesar de gostoso, não tinha a riqueza de sabor de um bom exemplar romano. E no Carbonara, embora o guanciale e a pimenta fossem de primeira, ficava evidente que a cozinha se havia socorrido do uso de creme de leite...

Com as sobremesas, retomamos as boas impressões do início do almoço. Um fofo e untuoso bolo de óleo de oliva, um delicadíssimo sformato di ricotta, em casamento perfeito com laranjas sanguíneas, e uma beleza de torta de ruibarbo, coroada por uma bola de um sublime sorvete de fior di latte.

No balanço geral, entre altos e baixos, eu diria que foi um belo almoço. E vou lhes fazer uma confissão: o prazer de compartilhar uma mesa em boa companhia por longas horas (e, claro, o fato de haver uma tarde radiante nos esperando lá fora) acabou por mitigar o deslize do creme de leite no Carbonara e ressaltar os acertos da refeição. De vez em quando, é bom se lembrar de colocar as coisas em perspectiva...

 

Maialino – 2 Lexington Avenue (com 21st street), no Gramercy Park Hotel
http://www.maialinonyc.com/

As atualizações do blog também estão no meu twitter.

{jcomments on}


Deixe seu comentário:
© 2012 Pra quem quiser me visitar - Todos os direitos reservados - Design de Branca Escobar

Envie para um amigo:

*
*

Fale comigo:

*

Assinar Newsletter:

Remover email: