Pra quem quiser me visitar....
  • Privilégio no menu do dia
  • yam'Tcha, em Paris: no tempo da delicadeza
  • A Casa do Porco Bar: Jefferson Rueda finalmente em casa
  • De São Bartolomeu a Belo Horizonte: Minas Gerais, antídoto contra a superficialidade
  • Uma nova geração de padeiros no Rio de Janeiro: Araucária Pães Artesanais e Maison do Zé
  • Provence: o mercado de Saint-Rémy
  • Curiango Venda e Cozinha: uma bela história de êxodo urbano na Serra da Bocaina
  • Aïoli no Bistrot du Paradou
  • “Redefinindo Sustentabilidade”: Parabere Forum chega à terceira edição debatendo a igualdade de gênero na gastronomia
Terça, 10 Novembro 2009

Astrid y Gastón: minha primeira incursão na cozinha de Gastón Acurio

Há tempos, andava curiosíssima pra conferir o trabalho do peruano Gastón Acurio. Assim que pus os pés em Buenos Aires, a primeira coisa que fiz foi reservar uma mesa na sucursal recém aberta do Astrid y Gastón. No horário de almoço, pois o jantar anda disputado a tapas... Após um delicioso passeio por Palermo, num dia de outono desses inesquecíveis...

...chegamos, finalmente, ao elegante casarão onde o restaurante se instalou.

No cardapio, uma infinidade de sabores ainda pouco conhecidos do meu paladar - e talvez da média dos brasileiros. Escolhemos algumas entradas frias. Causas e cebiches. Mas, antes que elas chegassem, pães quentinhos e grissinis vieram nos confortar. Poucas coisas proporcionam tamanha sensação de acolhimento como pães recém saídos do forno. E que pães, os do Astrid y Gastón! O de milho, de uma massa mais densa, quase um bolo, era uma beleza. Acompanhando, um delicioso molho feito com cebola, alho, queijo, huacatay (uma erva andina) e rocoto (um tipo de ají).

Devidamente confortados, estávamos prontos pra receber o novo. O cebiche era fantástico, equilibrado, e a degustação de causas, uma delícia. Estas últimas, uma espécie de massa de batata cozida com pasta de ají amarillo, chegaram à mesa com diversas coberturas, como centollas e polvo. O cebiche mixto (corvina, lulas, camarões, vieiras) tinha o sabor das pimentas aliado ao frescor dos frutos do mar. E a crocância dos milhos tostados. O que mais me impressionou nesse primeiro contato com a cozinha peruana foi o delicado uso dos ajís: empregados com tamanho equilíbrio que conferem extrema personalidade aos pratos sem que estes percam a leveza caracterísitca do que vem do mar. As entradas frias, tão diferentes pra quem se aventurava nesses sabores pela primeira vez, foram, pra mim, o melhor da refeição.

Seguimos com os principais. Delicioso arroz de mariscos. Cordeiro com ravioles de abóbora, extremamente saboroso. “Tacu Tacu a lo pobre” (prato da tradição peruana, originalmente feito com uma massa de sobras de arroz e feijão fritos), que aqui ganha sotaque portenho, com a adição de uma bela milanesa de lomo. Neste último prato, fica claro um dos traços da atuação de Acurio: em cada cidade onde abre uma de suas casas, procura aliar os sabores peruanos a ingredientes e hábitos gastronômicos locais.

Encerramos com um mix de sobremesas, onde sobressaíram o tiramisù desconstruído e o interessante creme brulê de ají amarillo. Ainda, um delicado suflê de chocolate com sorvete de banana. E trufas derretidas com sorvete de chá negro.

A beleza do ambiente, o serviço impecável, a excelência da cozinha nos garantiram uma tarde memorável...

 

Astrid y Gastón - Rua Lafinur 3222 - Palermo

www.astridygaston.com

Deixe seu comentário:
© 2012 Pra quem quiser me visitar - Todos os direitos reservados - Design de Branca Escobar

Envie para um amigo:

*
*

Fale comigo:

*

Assinar Newsletter:

Remover email: