Pra quem quiser me visitar....
  • De São Bartolomeu a Belo Horizonte: Minas Gerais, antídoto contra a superficialidade
  • Uma nova geração de padeiros no Rio de Janeiro: Araucária Pães Artesanais e Maison do Zé
  • Provence: o mercado de Saint-Rémy
  • Curiango Venda e Cozinha: uma bela história de êxodo urbano na Serra da Bocaina
  • Aïoli no Bistrot du Paradou
  • “Redefinindo Sustentabilidade”: Parabere Forum chega à terceira edição debatendo a igualdade de gênero na gastronomia
  • yam'Tcha, em Paris: no tempo da delicadeza
  • A Casa do Porco Bar: Jefferson Rueda finalmente em casa
  • Restaurante Roberta Sudbrack fecha as portas no Rio de Janeiro: o fim pode ser uma ponte?
Segunda, 06 Dezembro 2010

Chez L’Ami Jean, um dos melhores bistronomiques de Paris

Paris é desses lugares onde se pode comer incrivelmente bem por uma vida inteira sem jamais ter pisado num restaurante estrelado. Está aí uma das facetas mais encantadoras dessa cidade. Essa infinidade de pequenos grandes restaurantes, sejam bistrôs tradicionais, neobistrôs ou despretensiosos restaurantes de bairro, enfim, endereços onde, por algumas dezenas de euros, é possível ter uma refeição impecável, às vezes, inesquecível.

O Chez L’Ami Jean é um desses lugares. Comandado pelo chef basco Stephane Jégo, é uma das casas que veio engrossar as fileiras da bistronomie. Espaço diminuto. Ambiente simples, rústico, mas aconchegante, caloroso. A cozinha alia qualidade e frescor do produto a requinte e delicadeza na execução. E revela, de certa forma, um caráter de afetividade. Foi essa a sensação que me deixou meu recente jantar ali.

Começamos com um caldo intenso de peixe e crustáceos, vertido à mesa sobre uma brunoise de legumes e crôutons. Ainda melhor estava a brouillade de ovos com champignons sob espuma de manjericão – a espuma eu dispensaria...

Os principais, ainda melhores que as entradas, estavam impecáveis. O lombo de porco assado era uma perfeição: macio, suculento, saboroso.

Mas o parmentier talvez tenha sido o melhor deles. A leve e amanteigada musseline de batatas e aipo abraçava um delicioso ragu de bochecha de boi, num prato desses que a gente guarda na memória.

Se eu encerrasse o jantar com aquele parmentier, já sairia dali suficientemente feliz. Mas não sou de deixar um restaurante sem sobremesas. E elas garantiram àquela noite um belo desfecho. Imbatível o riz au lait feito na casa, que vem acompanhado de uma espécie de creme de caramelo e de uma granolinha crocante, com amêndoas e pistaches tostados. Aquele tipo de comida acolhedora, calorosa, que é o que, muitas vezes, nos faz querer voltar a um restaurante.

Ainda nos aguardava uma sensacional sopa de chocolate com armagnac, onde flutuavam uma quenelle de sorvete de baunilha e pérolas de tapioca.

A cada linha que escrevo sou revisitada pelos sabores daquela noite, que me plantam no rosto um sorriso de satisfação.

 

Chez L’Ami Jean – 27 rue Malar - 7ème
www.amijean.eu

As atualizações do blog também estão no meu twitter.

Comentários:
em 09-11-2014
por: cloyra almeida
Ola,parabéns pelo site, adoro,passarei natal e ano novo em paris, tens dicas para jantar 24/12 e almoco 1/2015?
bj, cloyra
em 09-11-2014
por: Constance
Cloyra, não é muito fácil encontrar endereços interessantes abertos nestas datas. Na última vez que passei o Réveillon em Paris, fui ao Verjus na noite do dia 31 e almocei no Mini Palais no dia 01, ambos resenhados aqui no blog.
O site Paris by Mouth costuma divulgar lista dos lugares que estarão funcionando com oferta de algum menu interessante na noite do 31. vale a pena ficar atenta.
Um abraço.
Deixe seu comentário:
© 2012 Pra quem quiser me visitar - Todos os direitos reservados - Design de Branca Escobar

Envie para um amigo:

*
*

Fale comigo:

*

Assinar Newsletter:

Remover email: