Pra quem quiser me visitar....
  • De São Bartolomeu a Belo Horizonte: Minas Gerais, antídoto contra a superficialidade
  • Uma nova geração de padeiros no Rio de Janeiro: Araucária Pães Artesanais e Maison do Zé
  • Provence: o mercado de Saint-Rémy
  • Curiango Venda e Cozinha: uma bela história de êxodo urbano na Serra da Bocaina
  • Aïoli no Bistrot du Paradou
  • “Redefinindo Sustentabilidade”: Parabere Forum chega à terceira edição debatendo a igualdade de gênero na gastronomia
  • yam'Tcha, em Paris: no tempo da delicadeza
  • A Casa do Porco Bar: Jefferson Rueda finalmente em casa
  • Restaurante Roberta Sudbrack fecha as portas no Rio de Janeiro: o fim pode ser uma ponte?
Terça, 21 Dezembro 2010

La Régalade: instituição parisiense

49 Avenue Jean Moulin. Ali começaram a ser escritas, no início da década de 90, as primeiras linhas do movimento que seria batizado de "bistronomie". No comando, Yves Camdeborde, pupilo de Christian Constant e ávido por colocar em prática as ideias revolucionárias que o mestre plantou nele. Os ecos daquele novo trabalho seriam ouvidos em breve e a casa se tornaria um emblema de algumas mudanças no cenário gastronômico parisiense. Quase vinte anos se passaram. O restaurante mudou de mãos, passando à batuta de Bruno Doucet. Até filial na rive droite ganhou no último ano. Mas a essência continua intocável: uma cozinha de excelência a preços bastante acessíveis.

No salão, como é de se esperar, nada de afetação, nada de luxo. Se é que há algum luxo ali, está no fato de se comer incrivelmente bem por preços extremamente convidativos.

Mal se chega e já se é brindado, generosamente, com uma deliciosa terrine maison, acompanhada de pães da casa e pepininhos em conserva. Uma simpática cortesia da casa. Num mundo em que cortesias, quaisquer que sejam elas, são cada vez mais raras, ponto pro La Régalade.

As entradas foram uma bela poêlée de champignons do bosque e echalotes, em caldo de carne e um perfumado caldo de abóbora, quase um creme, a regar cogumelos, croûtons e nacos de lardo grelhado.

Na sequência, um supremo de frango, úmido, saboroso, servido sobre cogumelos e pedacinhos de abacaxi. No outono europeu, poucas coisas são melhores que comer cogumelos. Muitos. O tempo todo.

A poitrine de porc (uma bela barriga de porco), com casquinha crocante, na perfeita companhia de lentilhas du Puy, era um assombro.

Chegávamos ao último ato. A doçura das mirabelles carameladas contrastava com um bom sorvete de menta. Na crocância da tuille, o detalhe final de uma bela sobremesa. Melhor que ela, só o cremosíssimo riz au lait acompanhado de uma farta porção de caramelo salgado. Sublime. Um rival de peso pra versão do Chez L’Ami Jean.

Saí dali com a lembrança de uma refeição impecável e a certeza de que a felicidade pode custar pouco. Pra ser mais precisa, exatos trinta e três euros.

 

La Régalade – 49 Avenue Jean Moulin – 14ème

As atualizações do blog também estão no meu twitter.

Deixe seu comentário:
© 2012 Pra quem quiser me visitar - Todos os direitos reservados - Design de Branca Escobar

Envie para um amigo:

*
*

Fale comigo:

*

Assinar Newsletter:

Remover email: