Pra quem quiser me visitar....
  • De São Bartolomeu a Belo Horizonte: Minas Gerais, antídoto contra a superficialidade
  • Uma nova geração de padeiros no Rio de Janeiro: Araucária Pães Artesanais e Maison do Zé
  • Provence: o mercado de Saint-Rémy
  • Curiango Venda e Cozinha: uma bela história de êxodo urbano na Serra da Bocaina
  • Aïoli no Bistrot du Paradou
  • “Redefinindo Sustentabilidade”: Parabere Forum chega à terceira edição debatendo a igualdade de gênero na gastronomia
  • yam'Tcha, em Paris: no tempo da delicadeza
  • A Casa do Porco Bar: Jefferson Rueda finalmente em casa
  • Restaurante Roberta Sudbrack fecha as portas no Rio de Janeiro: o fim pode ser uma ponte?
Sexta, 12 Novembro 2010

Paris em pequenos bocados

Depois de uma deliciosa jornada pela Itália, parti pra um pit stop obrigatório em Paris, antes de voltar pra casa - comigo é assim: se eu for à Índia, dou um jeito de voltar por Paris. Além dos restaurantes que visitei, fiz o percurso de sempre por cafés, mercados, confeitarias, padarias... Conto agora por onde andei.

Estive na Bread & Roses, que me parece uma queridinha dos parisienses. Aos pés do Jardim de Luxemburgo, o ambiente é charmoso, acolhedor. Não há como não entrar diante do convidativo e colorido balcão, repleto de pães, doces e tortas salgadas que, certamente, estão entre as mais caras de Paris. Mas, apesar de serem boas, acho que não valem o que custam. Principalmente numa cidade onde com pouco mais de 30 euros é possível fazer uma bela refeição em alguns de seus melhores bistrôs...

Fui conhecer o Breizh Café, crêperie de Cancale, que trouxe a Paris (mais especificamente, ao Marais) seu savoir-faire e exibe um vasto cardápio de crêpes e galettes no melhor estilo bretão, feitos com trigo sarraceno, sempre dourados e crocantes. Como a saborosa galette de presunto, queijo, ovo e confit de cebola, e a crêpe de caramel au beurre salé, finíssima, apenas coberta com fios de caramelo e quenelles de chantilly. Pra que mais?

Amanheci com o croque-monsieur do Café Mabillon, acomodada de frente pro Boulevard Saint-Germain. Uma delícia. Só não sei se faz jus à fama que muitos lhe atribuem de melhor croque-monsieur da cidade...

Revisitei uma das minhas padarias favoritas, a Le Grenier à Pain, em Montmartre, na deliciosa rue des Abesses. Foi ali que comi meu primeiro croissant, na primeira vez em que estive em Paris, lá se vão alguns anos. Ali, comprei-os fumegantes, toda manhã, ao longo das duas semanas em que estive na cidade na época. Portanto, não nego que tenho uma ligação afetiva com o lugar, o que me faz quere voltar sempre. Mas as filas diárias na porta deixam claro que sou apenas uma entre os muitos fãs daquele endereço, que, aliás, abocanhou esse ano o prêmio de melhor baguete de Paris.

Por falar em revisitar, fiz minhas paradas obrigatórias na Ladurée e no Pierre Hermé e, além de muitos macarons, me abasteci do que já é um novo favorito na minha vida: o sablé de chocolate com flor de sal de Hermé. É caro, caro, caro. Mas é também absurdamente bom.

É claro que não sairia de Paris sem ir conhecer as duas pâtisseries mais comentadas do momento.

Na Hugo & Victor, tem-se a sensação de se estar entrando numa imponente joalheria. De fato, cada uma das criações do chef pâtissier Hugues Pouget é tratada e exposta como joia. Um trabalho esteticamente fabuloso. Mas confesso que, do que experimentei lá, apesar de tudo estar bom, nada me entusiasmou.

Já a Pâtisserie des Rêves, uma das confeitarias parisienses mais elogiadas no último ano, essa me impressionou. O projeto é original e surpreendente. Os doces ficam expostos em cúpulas de vidro suspensas pelo teto, o que confere à confeitaria uma bem-vinda ludicidade, que acaba por atrair olhos adultos e meninos, causando em ambos o mesmo encantamento. Li um depoimento de Thierry Theyssier, criador da Maisons des Rêves, grupo a qual pertence a loja, em que dizia que a ideia era a de remeter o "balcão" a um carrossel. Grande ideia, belo resultado. Por trás de tudo, o talento do chef pâtissier Philippe Conticini, que traz os clássicos da pâtisserie francesa sob nova abordagem. O Paris-Brest e a tarte Saint Honoré são, simplesmente, os melhores que comi nos últimos tempos. Recomendo com todas as minhas forças.


Bread & Roseswww.breadandroses.fr
Breizh Caféwww.breizhcafe.com
Café Mabillon – 164 Boulevard Saint-Germain – 6ème
Le Grenier à Painwww.legrenierapain.com
Pierre Herméwww.pierreherme.com
Hugo & Victorwww.hugovictor.com
Pâtisserie des Rêveswww.lapatisseriedesreves.com

As atualizações do blog também estão no meu twitter.

Deixe seu comentário:
© 2012 Pra quem quiser me visitar - Todos os direitos reservados - Design de Branca Escobar

Envie para um amigo:

*
*

Fale comigo:

*

Assinar Newsletter:

Remover email: