Pra quem quiser me visitar....
  • De São Bartolomeu a Belo Horizonte: Minas Gerais, antídoto contra a superficialidade
  • Uma nova geração de padeiros no Rio de Janeiro: Araucária Pães Artesanais e Maison do Zé
  • Provence: o mercado de Saint-Rémy
  • Curiango Venda e Cozinha: uma bela história de êxodo urbano na Serra da Bocaina
  • Aïoli no Bistrot du Paradou
  • “Redefinindo Sustentabilidade”: Parabere Forum chega à terceira edição debatendo a igualdade de gênero na gastronomia
  • yam'Tcha, em Paris: no tempo da delicadeza
  • A Casa do Porco Bar: Jefferson Rueda finalmente em casa
  • Restaurante Roberta Sudbrack fecha as portas no Rio de Janeiro: o fim pode ser uma ponte?
Quinta, 23 Dezembro 2010

Sobre o Le Dauphin, a nova casa de Iñaki Aizpitarte, e os prêmios de gastronomia

Dois posts atrás, falava eu sobre minha experiência no aclamado Le Chateaubriand, neobistrô parisiense do chef Iñaki Aizpitarte, que, pra mim, ficou um pouco distante das expectativas criadas pela presença marcante da casa em listas e rankings mundo afora. Questionava eu, inclusive, o grau de fidelidade que tais premiações possam ter efetivamente, se considerada a amplitude e a complexidade do universo sobre o qual se debruçam. Pois qual não foi minha surpresa ao saber que o mais novo restaurante de Aizpitarte, recém-aberto (ainda em soft opening), na mesma Avenue Parmentier onde está instalado o Le Chateaubriand, foi premiado, no início de dezembro, pelo Le Fooding, na categoria Melhor Décor do Ano. Não seria surpresa alguma não fosse o prêmio atribuído antes de a casa abrir as portas oficialmente e num momento em que ainda se encontrava em obras... Pára o mundo que eu quero descer.

Provavelmente, o Le Dauphin se revelará mesmo como uma das melhores novidades no cenário gastronômico parisiense. Inclusive, no que se refere ao projeto arquitetônico de Rem Koolhaas. Mas, que tal dar à casa algum tempo pra que mostre a que veio? Eu me pergunto a que grau de leviandade críticas, premiações, listas e rankings se permitirão chegar... A prática, cada vez mais comum, de incensar restaurantes antes mesmo que tenham em mãos suas certidões de nascimento já me tem soado um tanto estranha. Agora, premiar um restaurante ainda não inaugurado? Pode?

Pra quem quiser ler mais sobre o assunto, o crítico francês François Simon destila toda a sua ironia nesse post aqui.

 

As atualizações do blog também estão no meu twitter.

Tags:
Deixe seu comentário:
© 2012 Pra quem quiser me visitar - Todos os direitos reservados - Design de Branca Escobar

Envie para um amigo:

*
*

Fale comigo:

*

Assinar Newsletter:

Remover email: